Envelhecimento Saudável e Sarcopenia

Muito se fala sobre longevidade, de como a população de idosos vem crescendo ao redor do mundo. O que não se debate muito é de como podemos alcançar essa longevidade de maneira mais saudável. 

Até o ano de 2050 a população mundial de idoso vai triplicar, e devemos nos preparar para cuidarmos desses parcela da população, e devemos ressaltar, que alguns de nós estaremos dentre estes números.

A pergunta que fica é: Como podemos nos preparar para o envelhecimento?

Podemos começar por nossa alimentação. Uma das doenças que mais acometem os idosos estão relacionadas a má alimentação. A mais comum é a sarcopenia, que nada mais é que a perda de massa muscular. Esse processo se inicia por volta dos 30 anos e entre os 40 e 70 anos 24% da nossa massa muscular já foi reduzida. As consequências desta patologia variam de fraqueza, fratura e engasgos (disfagia). Muitas pessoas não conseguem compreender essa associação da sarcopenia com fraturas e o engasgo, mas é muito simples. Nossos ossos são revestidos de músculos, e a perda deles faz com que não tenhamos força para nos manter de pé, isso pode levar não só a fraqueza, mas também ao desequilíbrio e consequentemente a quedas e fraturas. Quanto aos engasgos… A disfagia se dá pela perda da musculatura orofaríngea, que acaba dificultando a deglutição, e facilitando a broncoaspiração durante o simples ato de se alimentar.

Podemos prevenir a sarcopenia com uma alimentação rica em proteínas (carne, peixe, frango, ovos, etc), associada a prática de atividade física, para que haja a estimulação de produção muscular. Devemos iniciar um processo de prevenção a sarcopenia ainda na fase adulta para termos uma menor propensão a doença.

Na terceira idade a polifarmácia (uso de muitos medicamentos), acaba influenciando muito na má alimentação, acelerando ainda mais a perda de massa muscular. Esse “coquetel” de medicações interferem bastante na absorção de nutrientes, podendo também causar enjoos e até mesmo levar à anorexia. Sendo assim, podemos suplementar o idoso com doses de proteína  que supram as suas necessidades diárias, evitando o processo acelerado de perda de massa muscular.

Em suma, vamos cuidar melhor da nossa alimentação. Pratos mais coloridos e com uma presença menor de produtos industrializados já nos traz muitos benefícios e uma longevidade com melhor qualidade.

 

Isabel Peixinho

Nutricionista do Residencial Divina Providência

CRN 12877

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *