Hidratação dos Idosos

O consumo de líquidos é necessário para compensar as perdas diárias normais como respiração, transpiração, urina e fezes. As necessidades também estão relacionadas com o consumo de energia, perdas de água e função renal. Portanto, em locais de temperaturas elevadas e maior intensidade de atividade física, essas recomendações possuem variações. Por outro lado, situações clínicas específicas como insuficiência renal e cardíaca, podem necessitar de uma restrição da ingestão de líquidos.

Entre as alterações no organismo que ocorrem com o envelhecimento estão a redução da sensação de sede e há uma redução de 20% a 30% da água corporal total tornando o idoso mais vulnerável à desidratação.

Outro problema é que muitos idosos não conseguem comer e beber sozinhos e pode ser necessário auxílio para levar alimentos e líquidos para a boca.

 

Qual o volume de hidratação oral recomendada para idosos?

As mulheres idosas devem receber pelo menos 1,6 litros de líquidos ao dia, enquanto homens idosos devem receber pelo menos 2 litros de líquidos ao dia.

 

Quais tipos de líquidos devem ser oferecidos a idosos?

Uma variedade de bebidas pode ser oferecida ao longo do dia, conforme a preferência dos idosos. Essas bebidas podem ser água, água aromatizada, chás, leite, sucos de frutas e smoothies.

 

Como deve ser o monitoramento da ingestão hídrica em idosos desnutridos ou em risco de desnutrição?

Em ambientes de cuidados geriátricos, instituições de longa permanência ou em domicílio, a equipe interdisciplinar e os cuidadores devem monitorar e registrar constantemente a quantidade prescrita de líquidos e a ingesta real. E desenvolver formas individualizadas de monitorar essa ingestão.

A desidratação é a uma falta de água (fluidos) no organismo. Isso pode ocorrer devido à baixa ingestão de líquidos ou devido ao excesso de perdas por sangramentos, vômitos, diarreia, ou uma combinação de ambos.

Algumas das manifestações clínicas de desidratação incluem dor de cabeça, tontura, fadiga, fraqueza, apatia, sonolência, boca seca, diminuição da diurese, batimentos cardíacos acelerados, câimbras, pele seca e falta de elasticidade da pele. A desidratação pode gerar um maior risco de quedas, infecções no trato urinário, doenças pulmonares, pedras nos rins, constipação e alteração de comportamento, como irritação, agitação, apatia e confusão mental.

A avaliação clínica associada aos exames laboratoriais são fundamentais para diagnosticar com precisão a desidratação em idosos.

Em situações mais graves de desidratação, a hidratação artificial pode ser considerada para reversão imediata.

 

Quais as principais estratégias para aumentar a ingestão de líquidos em idosos com diagnóstico de desidratação?

Enfermeiros, familiares e cuidadores desempenham um papel crucial na prevenção da desidratação, o estímulo verbal para beber entre as refeições é eficaz na melhora da ingestão de líquidos em idosos com maior comprometimento cognitivo. O que as evidências sugerem são que múltiplas intervenções como:

-Aumentar a disponibilidade de bebidas e facilitando o acesso,

– Oferta frequente de líquidos com maior variedade de opções, de preferências e de temperatura,

– Evitar copos grandes e cheios, ofereça copos com pequenos volumes várias vezes ao dia,

–  Em épocas mais quentes, aumentar a ingestão de líquidos,

– Uso de roupas leves para evitar perdas pelo suor no calor,

– As águas saborizadas são uma boa opção para aumentar a ingestão de água pelos idosos. Seguem abaixo algumas sugestões:

  • Abacaxi e hortelã
  • Maçã, cravo e canela
  • Limão, pepino e gengibre
  • Melancia, gengibre e limão
  • Morango e hortelã
  • Kiwi, hortelã e gengibre
  • Laranja, hortelã e canela
  • Frutas vermelhas (morango, framboesa e mirtilo) e manjericão

 

Referências

Desidratação em idosos: Orientações, diagnóstico e tratamento. Diretriz BRASPEN de Terapia Nutricional no Envelhecimento BRASPEN J 2019; 34 (Supl 3):2-58 46 © 2019 Copyright: Brazilian Society of Parenteral and Enteral Nutrition.

 

Sociedade Brasileira de Geriatria e Gerontologia

http://www.sbgg-sp.com.br/idosos-saudaveis-no-verao/

 

Mônica Sayuri Albano Mizukami

Nutricionista

CRN3 24917

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *